sábado, 23 de junho de 2012

AS PROVAS TERRENAS

“Os Espíritos vestem temporariamente um corpo material perecível, cuja destruição pela morte lhes devolve a liberdade.”
O corpo material nos capacita a ter uma experiência na carne. Por mais que estudemos na erraticidade (nos intervalos entre as reencarnações), é na experiência da vida terrena que realmente colocamos à prova o que aprendemos de verdade.
Aqui vivenciamos situações que provarão o conhecimento introjetado pelo nosso espírito.
Devido ao esquecimento das vidas passadas, que a bondade divina nos proporciona, começamos novas experiências com aqueles que são nossos credores, normalmente são os que formam a nossa constelação familiar. Com os laços de sangue e de coração (os filhos, pais, cônjuge, sobrinhos, agregados, adotados...e outras categorias), experienciamos o contato com aqueles que em outras vidas fizemos dívidas de vários tipos, tendo a oportunidade de tornar esta experiência mais salutar, benéfica para ambas as partes.
Nem sempre conseguimos vitória, pois, às vezes o contato é muito doloroso e nem sempre temos explicações para tamanhos desencontros. Outro dia, em conversa sobre este assunto com uma amiga, ela relatou que quando foi mãe de sua primeira filha, no primeiro momento ficou muito feliz, mas passados alguns dias ela começou a odiar a filha, sem nenhuma explicação lógica (dentro do seu conhecimento). E sentia-se muito culpada por isso.
Foi quando procurou a doutrina espírita e com os conhecimentos adquiridos, compreendeu que foi por causa de uma vida anterior, em desencontros com este espírito que ela aceitou como filha.
Disse aceitou, porque, antes da reencarnação desta criança, ela a mãe, foi perguntada pela espiritualidade, se aceitava a maternidade desta menina que havia sido sua inimiga em vida anterior; e ela, se sentindo forte e confiante, aceitou com firmeza :"pode mandar que serei mãe dela"(palavras da nossa confidente).
Não é uma prova fácil e ao contato com este espírito, em vida terrena, a repugnância que sentia (por uma memória espiritual gravada em seu perispírito), ficou impregnada de rejeição e outros sentimentos menores.
Ela ainda não havia perdoado inteiramente este ser. Mas, a compreensão dos processos, da lei de causa e efeito, do perdão necessário e para que este ódio fosse transformado em amor e deixado de existir esta dívida, ela começou a agir de forma diferente, compreensiva e hoje, já não há mais resquício de ódio.
Sempre aceitamos as provas que devemos passar, quando participamos do planejamento reencarnatório (só pode opinar quem já está mais evoluído espiritualmente). Para vencê-las é preciso praticar o Evangelho de Jesus. Quem de nós não tem provas difíceis, pessoas que causam dificuldades em nossas vidas? Isto independe de situação social, credo, raça e outras coisas que nos catalogam.
Lembro ainda, que, aquelas provas que não aceitamos de coração, em plano e preparação espiritual, mas que são irremediavelmente necessárias, serão nos dadas assim mesmo, compulsoriamente (para aqueles espíritos que se recusam a evoluir e permanecem na preguiça, no ódio. Como exemplo, citamos os suicidas, assassinos...mas lembrando sempre que cada caso é um caso e não existe uma regra geral por que "a cada um é dado de acordo com suas obras" e assim, conforme merecimento). Deus dá muitas oportunidades, por um tempo pode-se escapar delas, mas chega uma hora que não tem jeito mais, temos que nos submeter à lei de causa e efeito.
Somos chamados à evolução a todo momento: quando encarnados e quando desencarnados. Cabe a nós escolher o caminho a seguir: pela dor ou pelo amor.
Magda Kokke
(Desconheço o autor da imagem. Caso você possa me informar, colocarei os devidos créditos)

Um comentário:

  1. Você achou o texto esclarecedor? Quer discutir mais algum aspecto? Tem dúvidas? Troque ideias conosco. Dê sua opinião. Não sou versada em espiritismo, apenas uma estudante da doutrina, fazendo estágio ou laboratório como aprendiz do Evangelho de Jesus. Abraços.

    ResponderExcluir