quinta-feira, 24 de maio de 2012

RETRATO DE MÃE

Maria Dolores descreve em poesia a assistência maternal e efetiva prestada pelo Espírito de Maria a Judas, que se encontrava em região umbralina, cego e solitário, muito tempo depois da crucificação do Mestre. No final do diálogo com o discípulo suicida, em grande sofrimento, preso a terrível remorso, a Benfeitora convence-o argumentando com profundo amor: . Retrato de Mãe . . "Amo-te, filho meu, amo-te e quero Ver-te, de novo, a vida Maravilhosamente revestida De paz e luz, de fé e elevação... Virás comigo à Terra, perderás, pouco a pouco, o ânimo violento, Terás o coração Nas águas de bendito esquecimento. Numa nova existência de esperança, Levar-te-ei comigo A remansoso abrigo, Dar-te-ei outra mãe! Pensa e descansa!... E Judas, nesse instante, Como quem olvidasse a própria dor gigante Ou como quem se desagarra De pesadelo atroz, Perguntou: - quem sois vós Que me falais assim, sabendo-me traidor? Sois divina mulher, irradiando amor Ou anjo celestial de quem pressinto a luz?!... No entanto, ela a fitá-lo, frente a frente, Respondeu simplesmente: - Meu filho, eu sou Maria, sou a mãe de Jesus". . . Fonte: Anuário Espírita 1996. IDE .retirado de: .http://intermediandoamor.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário